RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL

O EIS ALP é um dos projetos mais inovadores, premiado com uma bolsa em 2013. Existem muitas razões na nossa lista de inovações, mas um grande feito é a integração da responsabilidade social, princípios de qualidade, e ferramentas, nas atividades de gestão do projeto.

Como é que surgiu esta ideia? Desde 2010 o CPIP é parceiro da rede do programa SOCIETAL do REPER21,uma rede que promove a introdução de indicadores de responsabilidade social na vida das organizações não-governamentais. Com este projeto, planeamos levá-lo um passo mais longe, e integrar esses indicadores na tempo de gestão do projeto, um esforço nunca feito num projeto financiado pelo UE.

O que queremos alcançar com esta ideia? 

  1. Maximizar a contribuição social do projeto:
    • Social (condições de trabalho decentes, H&S, igualdade de oportunidades, respeito pela vida privada, dialogo intercultural, direitos universais do homem). O diálogo intercultural será particularmente importante, dado que somos 11 parceiros institucionais, de 5 países membros da EU, e somos tão diferentes quanto poderíamos ser,
    • Económica (sustentabilidade, eficiência, estabilidade dos locais de trabalho, impacto na comunidade local, promoção da responsabilidade social das empresas, e das economias verde e solidária),
    • Ambiental (reduzir-reutilizar-reciclar, proteção da biodiversidade e ecossistemas, compras responsáveis, promoção dos princípios do Rio) e,
    • Governo/administração (comunicação ética, envolvimento das partes interessadas durante a elaboração do projeto, transparência, responsabilidade, coordenação com outros projetos similares, lobby e advocacia).Uma grande parte do nosso projeto é codesenvolvido com o envolvimento direto das partes interessadas. Eles desempenham um papel essencial, dado que acreditamos que, apenas com o seu envolvimento direto, os nossos produtos serão desenvolvidos de forma correta e bem utilizados. Também temos uma grande ligação a várias iniciativas Europeias desenvolvidas neste tema, pois é a nossa crença que devemos trabalhar a partir dos desenvolvimentos feitos pelos nossos parceiros. E iremos implementar o projeto da forma mais transparente e responsável possível, com decisões acordadas pelos parceiros, com acesso a todos os desenvolvimentos feitos através dos dinheiros públicos.
  2. Garantia de que os resultados do projeto serão apresentados a tempo, relevantes, e aplicáveis, que atingem os objetivos do plano, e contribuem para a sustentabilidade do projeto. Porque nos preocupamos com o uso dado aos dinheiros públicos, a forma como são gastos, e os resultados produzidos. E queremos como se, e como, isto pode ser melhorado.

Como planeamos isto?   

  1. Desenvolver politicas de Qualidade e de Responsabilidade Social que irão abranger objetivos, ferramentas de implementação e equipas responsáveis. A politica de qualidade será baseada nos princípios de relevância, aplicabilidade e eficiência, enquanto as politicas de responsabilidade social se basearão nos princípios de envolvimento das partes interessadas, respeito pelos direitos humanos, transparência e comportamento ético. Aqui poderá fazer o download das politicas EIS ALP de Responsabilidade Social, sob o formato de uma Brochura Guia para um Projeto Sustentável.
  2. Desenvolver painéis de ferramentas de qualidade e responsabilidade social baseados em Indicadores Objetivamente Verificáveis (IOV) para os resultados gerais do projeto (definira qualidade, quantidade e tempo de entrega de cada produto) e para as medidas chave de responsabilidade social que serão acordadas, e adotadas pelas equipas do projeto para cada WP, com base num conjunto de indicadores de RS já desenvolvidos pelo REPER21 com base no GRI e na ISO 260000. Os instrumentos de qualidade serão posteriormente acordados com um avaliador externo cuja auditoria irá fortalecer os esforços da equipa para apresentar resultados de alta qualidade.
  3. Monitorização periódica do dos IOV de qualidade e RS. As principais ferramentas usadas na fase de monitorização são visitas e questionários in situ. A fase de monitorização irá permitir o desenvolvimento e aplicação de medidas de correção baseadas nas discrepâncias entre as políticas e painéis de instrumentos da qualidade e responsabilidade social, e das realidades de implementação que irão apoiar a melhoria constante dos desenvolvimentos e sustentabilidade do projeto.
  4. Avaliar o sucesso do projeto em termos de qualidade e responsabilidade social com base nos critérios PCM de eficiência, efetividade, impacto, relevância e sustentabilidade. A avaliação da qualidade do projeto final será precedida de um relatório final de avaliação da qualidade que irá englobar uma secção específica da responsabilidade social, em que será feita uma descrição das medidas de responsabilidade social aplicadas